cinturão abdominal lombar

Dor nas costas é o principal motivo de afastamentos do trabalho no Brasil – Cinturão abdominal lombar

Se você sofre de dor nas costas, talvez sirva de consolo saber que você não está sozinho. No Brasil, esse é o principal motivo de afastamentos do trabalho segundo o INSS, mas a maioria das pessoas poderia evitar isso. De acordo com o anuário estatístico dos acidentes do trabalho no ano de 2015, foram concedidos benefícios auxilio doença previdenciário, segundo os códigos CID 10 , dos meses de janeiro a novembro de 2015  155.890 casos, sendo concedidos para traumas, lesões e envenenamento  48.000 casos em média mensal  responsável por 30,7% dos casos , em segundo lugar os benefícios concedidos foram  para doenças osteomusculares 36.000 benefícios  concedidos resultando 23%  no período. As Dorsopatias foram responsáveis por 15.800 casos sendo que  as Dorsalgias  resultaram  8.300 casos  em média por mês. Em terceiro lugar os benefícios foram para transtornos mentais e comportamentais sendo 9.000 casos em média por mês resultando em 5,7% dos benefícios concedidos pela previdência Social e os demais CID somaram 40,6% .

Fonte: Dataprev, Sintese. Elaboração: Coordenação de Prevenção de Acidentes do Trabalho – COPAT/CGSAT/DPSSO/SPPS Nota: Dados preliminares, sujeitos à revisão).

A dor nas costas lombalgia é um incômodo extremamente frequente nos dias atuais. Esse problema na região lombar pode ser secundária à atividade física intensa, sem supervisão, à obesidade, ao sedentarismo ou à postura inadequada. Alterações estruturais da coluna vertebral, tais como hérnias de disco, fraturas, osteoartrose ou desidratação discal também podem se manifestar desta forma. As dores nas costas podem ser originadas no trabalho, atividades que exigem esforço pra a coluna levando a fadiga e consequentemente alguns acometimentos para a saúde,consideradas doenças do trabalho.

      Doença do trabalho – são as doenças profissionais, aquelas produzidas ou desencadeadas pelo exercício do trabalho peculiar a determinado ramo de atividade, conforme disposto no Anexo II do Regulamento da Previdência Social – RPS, aprovado pelo Decreto no 3.048, de 6 de maio de 1999; e as doenças do trabalho, aquelas adquiridas ou desencadeadas em função de condições especiais em que o trabalho é realizado e com ele se relacione diretamente. Esse dado somente está disponível para acidentes que foram registrados por meio da CAT.

Os dados de acidentes do trabalho com CAT registrada são provenientes das comunicações entregues ao INSS. A empresa deve comunicar o acidente do trabalho, ocorrido com seu empregado, havendo ou não afastamento do trabalho, até o primeiro dia útil seguinte ao da ocorrência e, em caso de morte, de imediato à autoridade competente, sob pena de multa variável entre os valores mínimo e máximo do salário de contribuição, sucessivamente aumentada nas reincidências, aplicada e cobrada na forma do artigo 286 do Regulamento da Previdência Social – RPS, aprovado pelo Decreto no 3.048, de 6 de maio de 1999.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, oito em cada dez pessoas vão ter problemas de coluna em algum momento da vida. E a postura errada é uma das maiores causas de lesões na lombar. ´´Ficar sentado por muito tempo aumenta a pressão interior dos discos intervertebrais, que são essas peças de cartilagem no final da coluna. Em segundo lugar, a musculatura que envolve a região lombar precisa ser trabalhada, porque ela funciona como um suporte adicional à sustentação de peso´´, afirma o ortopedista do Hospital Albert Einstein Alberto Gotfryd.

Para o presidente do comitê de coluna da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (Sbot), Luis Eduardo Munhoz, a abrangência de profissionais que podem ser acometidos por este problema justifica a liderança.“Desde funcionários que precisam carregar muito peso no serviço a pessoas que passam horas em frente ao computador em postura inadequada, todos são suscetíveis”, diz o especialista.

Segundo ele, os outros fatores que estão por trás das dores nas costas também estão presentes nas mais variadas profissões.“Além da predisposição genética para este tipo de dor (encontradas em processos degenerativos como artrose e bico-de-papagaio), as costas também são sobrecarregadas pelas horas extras, pela falta de musculatura no abdômen, pela obesidade e pelo estresse”, explica.“É um órgão alvo do cérebro. A manifestação nas costas pode ser sintoma de um processo depressivo ou de exaustão do profissional, que não será detectado por um raios X, por exemplo.”

Luis Eduardo Munhoz já foi consultor de perícias médicas do Rio Grande do Sul e pondera que esta ligação em cadeia das dores nas costas com outros problemas de saúde dificulta a avaliação médica, tanto para afastar o funcionário do trabalho quanto para validar se ele está apto e curado para voltar as suas funções.“É um meandro de difícil avaliação, por causa dos ganhos secundários do afastamento”, afirma o ortopedista. “Existem pesquisas que mostram que após seis meses de afastamento por dores, 50% dos trabalhadores conseguem voltar a exercer plenamente suas funções. Depois de um ano, é remoto o retorno da maioria”, explica.

“A dor não pode ser avaliada só por laudos físicos, exige avaliação psicológica também. Algumas relações para a incapacidade são bem estabelecidas, outras mais duvidosas e isso precisa ser levado em conta na perícia.”

No mercado alguns outros  produtos contribuem significativamente para minimizar esses esforços e adoecimentos para a coluna lombar. Bastante conhecido no  mercado são os cinturões abdominais lombares que  mantém a estabilidade da coluna consequentemente reduz o esforço e a fadiga da musculatura principalmente nas atividades de esforço físico intenso. Os cinturões não necessariamente são de uso exclusivo para as atividades de levantamento e carregamento de peso ,mas também nas atividades onde a postura estática e fletida permanece por tempo prolongado, por exemplo linhas de montagem, empacotamento, centro cirúrgico situações extremamente fatigantes para a região lombar. Importante salientar que os usuários dos cinturões devem receber instruções de usabilidade e benefícios de seu uso. Profissionais da área de saúde (médicos ortopedistas)indicam os cinturões Digitador Ergonomics pela sua eficiência e estudos científicos realizados que atestam a sua eficiência.

Para um melhor entendimento vamos detalhar mais o que é um trabalho muscular estático e um trabalho muscular dinâmico.

Nosso corpo, para suprir nossas funções vitais, mobiliza mais de duas centenas de músculos, cada um com uma função especifica. Em termos muito resumidos, entendamos que as forças do organismo têm em sua evolução humana um fenômeno chamado contração muscular. Os músculos promovem contrações e com isso de forma resumida movimentam nosso corpo. Nosso organismo tem dois tipos de trabalho muscular o dinâmico e o estático.

O trabalho muscular dinâmico caracteriza-se por uma sequência rítmica de contração e relaxamento da musculatura em trabalho. O músculo em trabalho dinâmico efetivamente recebe de dez a vinte vezes mais sangue do que em repouso o que pode ser benéfico devido ao grande afluxo de sangue, o músculo consegue obter o açúcar de alta energia (glicogênio) e o oxigênio para sustentar sua atividade e ainda garante que os resíduos dessa atividade sejam drenados não havendo acúmulo de ácido lático. O trabalho muscular dinâmico, desde que com ritmo adequado, pode ser feito por um longo período sem cansaço, ou esgotamento físico.

O trabalho muscular estático caracteriza-se por um estado de contração prolongada da musculatura. A ocorrência mais frequente de trabalho estático se dá na manutenção da postura corporal, que sustenta nosso corpo em uma dada organização de segmentos corporais no espaço do trabalho, ou seja, permanecer parado numa mesma posição por tempo prolongado ocorrendo que o músculo não alonga seu comprimento já que a força de contração é empregada para manutenção da postura por exemplo nas atividades de sustentar pesos ou ficar parado numa atividade cirúrgica. Em termos fisiológicos o trabalho estático, a musculatura permanece num estado de alta tensão, produzindo força durante esse período. Ao contrário do trabalho dinâmico os vasos sanguíneos são estreitados pela pressão interna contra o tecido muscular ,em consequência não flui mais sangue para o músculo, dessa forma o músculo mesmo fazendo um esforço que necessita de alimentação e respiração ele não recebe o açúcar especial e nem o oxigênio pois não há sangue chegando, não há moto bomba , o músculo deverá usar suas próprias reservas se quiser se alimentar e respirar e os resíduos não são retirados, acumulam-se e provocam dores agudas e constituem a fadiga do músculo.

Afecções ocupacionais de origem biomecânica

Afecções ocupacionais de origem biomecânica-Digitador-Ergonomics

Uma afecção é uma possível doença encarada sob seu aspecto atual, independente do diagnóstico de sua causa. As duas grandes afecções a que a Ergonomia tem sido convocada para abordar tem sido as lombalgias e as chamadas DORTs. Isso não significa que outros problemas de comprometimentos da saúde relacionados ao trabalho devam ser descartados. A frequência e a gravidade das DORTs e lombalgias as colocaram no topo de uma lista de problemas por serem lesões e isso os podem tornar incapacitantes para o trabalhador.

A lombalgia que é a dor na região lombar da coluna vertebral é um sintoma e não uma doença. Nos países desenvolvidos é a principal causa de incapacidade em menores de 45 anos. A lombalgia acomete igualmente homens e mulheres.Com o passar do tempo, as mulheres começaram a sentir mais dor lombar devido a menopausa (parada do ciclo menstrual) e suas consequências como a osteoporose(perda de cálcio no osso associado com alteração na arquitetura do osso). É a segunda causa de procura de atendimento médicos em decorrência de doenças crônicas. Seus números de faltas ao trabalho, ultrapassam o câncer, o AVC (acidente vascular cerebral) e a Ais na idade produtiva. Trata-se de um problema Médico e Econômico por seus elevados custos sociais: assistência médica, faltas no trabalho, diminuição da produtividade e do número de tarefas cotidianas, substituição de suas atividades por terceiros e afastamento do trabalho (temporário ou definitivo).

As DORTs (doenças osteomusculares relacionadas ao trabalho) antigamente conhecidas como LER (lesões por esforços repetitivos), como lesões que são acumulativas e provocadas por uso inadequado e excessivo do sistema musculoesqueléticos (que agrupa ossos, nervos, tendões e músculos). Atingem principalmente os membros superiores; mãos, punhos, braços, antebraços,ombros e coluna cervical. São causados por esforços mecânico prolongado e são agravadas quando angulações são exigidas e, também, por pressões no trabalho de ordem físicas ou psicológicas.

LEVANTAMENTO E TRANSPORTE DE CARGAS

A consolidação das Leis do Trabalho (CLT), em seu art. 198 estabelece:[…] é de 60kg(sessenta quilogramas) o peso máximo que um empregado pode remover, ressalvadas as disposições especiais relativas ao trabalho do menor e da mulher.

Já a norma regulamentadora NR 17, que trata de Ergonomia e tem sua redação dada pela portaria n°3.751, de 23/11/1990, não define um valor máximo quantitativo para a questão. Em seu art.17.2.2 dispõe que não deverá ser exigido nem admitido o transporte manual de cargas, por um trabalhador, cujo peso seja suscetível de comprometer sua saúde ou sua segurança.

A musculatura dorsal é a que mais sofre com o levantamento de pesos, devido à estrutura da coluna vertebral. A biomecânica nos mostra que a coluna vertebral está sujeita às forças de compressão, partes opostas do osso são pressionadas entre si, por meio da ação muscular, apoio de peso, gravidade ou alguma carga externa que tenha ação sobre o comprimento do osso, tensivas, geralmente aplicadas na superfície do osso, criando uma tendência de alongamento ósseo, de cisalhamento.

No que se refere ao levantamento de cargas, algumas regras são da aceitação geral: manter a carga mais próxima possível do corpo, evitar girar ou flexionar lateralmente a coluna durante o levantamento de peso, pois essa combinação pode causar injúrias nas articulações e nos discos intervertebrais. Dois métodos de levantamento mais comumente usados pelas pessoas são o stoop lifting(com a coluna fletida) e o squat lifting(com os joelhos fletidos).Entre os dois ,o método por abaixamento(stoop lifting) é o que apresenta um menor gasto energético ,explicando dessa forma, porque ele é bastante usado por pessoas que n ão estão treiandas em técncias de levantamento de peso. Quanto ao método de agachamento(squat lifting)ele reduz a sobrecarga na coluna vertebral pela proximidade entre a carga e o fulcro do disco lombossacro, tornando o braço de resistência mais curto.É o método recomendado para uma maior preservação da coluna. Em contrapartida, a musculatura dos membros inferiores é bastante requisitada, aumentando consideravelmente a ação de forças compressivas sobre as articulações dos joelhos.

O uso dos cinturões abdominais lombares

O uso dos cinturões abdominais lombares  irão atuar exatamente na região da coluna lombar ,a Digitador Egonomics realizou um estudo cientifico do cinturão abdominal lombar com resultados positivos na sua eficiência na prevenção de dores lombares. Recentemente pesquisas apontaram que o CAL (Cinturão Abdominal Lombar) DIGITADOR fornece um efeito protetor sobre a região lombar e assim minimiza o surgimento da dor aguda e posteriormente crônica. Algumas características fundamentais no cinturão abdominal lombar DIGITADOR possibilitaram este resultado. O CAL (cinturão abdominal lombar) Digitador possui uma placa protetora na região lombar que promove uma sustentação positiva na região e o material estrutural do cinturão fabricado em lona contribui significativamente na eficiência do produto promovendo maior sustentação na região abdominal e lombar, outra característica é sua modelagem eficiente que adapta aos tamanhos dos indivíduos.

Estudo sobre o Cinturão Abdominal Lombar

Os achados suportam a hipótese que o cinturão abdominal lombar Digitador Ergonomics possa reduzir a sobrecarga tensional sobre os músculos eretores da coluna e conferir um efeito protetor agudo, sobretudo sobre o músculo multifídio.  Adicionalmente, os dados indicam haver uma mudança no padrão de coativação dos músculos iliocostal e longuíssimo do tórax.

.Estudos que buscaram identificar as causas da fadiga muscular durante as atividades laborais tem demonstrado que existe uma clara associação epidemiologia entre as exigências ergonômicas e os transtornos músculo-esqueléticos e que a fadiga dos músculos extensores da coluna pode representar um fator de risco para o desenvolvimento da LBP . Muitos autores propõem REGRAS para o levantamento de cargas, como Sullivan (1989), que sugere para um levantamento seguro, observar o plano de levantamento, a manutenção da carga próximo ao corpo, evitar a rotação do tronco enquanto se levanta, flexionar os joelhos.
As regras muitas vezes são de difícil aplicação, pois dependem do tamanho do indivíduo, forma e posição no espaço e dos hábitos daquele que levanta o peso, seis princípios devem ser observados: 1) pés planos no solo 2) pernas afastadas numa distância cômoda (aproximadamente 30cm), 3) peso‚ mantido o mais próximo possível do indivíduo; 4), a coluna vertebral‚ mantida na posição o mais ereta possível; 5) o levantamento ‚ realizado pelos músculos maiores e mais fortes, em geral os músculos extensores da articulação do joelho; 6) indivíduo voltado para a direção daquilo que pretende deslocar. Um levantamento seguro de um objeto ao nível do solo, requer que o trabalhador mantenha a coluna lombar ereta, fletindo os joelhos para abaixar o corpo, e levantar com os músculos da perna, manter o objeto próximo ao corpo, levantar de maneira lenta sem solavancos, girar com os pés em vez do tronco e posicionar corretamente pés, queixo, braços e mãos. Que os objetos sejam levantados suavemente, tenham moderada largura, e que as mãos estejam mantidas seguras no objeto a ser levantado e que existam favoráveis condições de temperatura. A capacidade para o levantamento é maior quando as mãos estão próximas ao joelho e é menor quando a carga está na altura da cintura ao contrário para a altura do joelho ou ombro. Isto devido a pobre vantagem mecânica dos braços e da coluna lombar no nível da cintura.

Partindo dessa premissa o uso do cinto abdominal lombar DIGITADOR durante a tarefa de levantamento de carga de mesma intensidade em dias diferentes combinados com REGRAS para o levantamento de carga seguro, reduz a sobrecarga espinhal e alterando assim a atividade eletromiográfica (EMG) dos músculos eretores da coluna ou mesmo modificam a resposta da mesma.

img-Denise

Denise M. Francato Chiaradia
Especialista em Ergonomia e ergonomista sênior certificada pela ABERGO

 

 

 

Um Comentário em “Dor nas costas é o principal motivo de afastamentos do trabalho no Brasil – Cinturão abdominal lombar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *