A revisão da NR 17 está praticamente pronta, e, entre as novidades, aparece a demanda da AEP (Avaliação Ergonômica Preliminar). Todas as empresas, de qualquer porte ou risco, deverão fazê-la. Há lógica nesse encaminhamento, especialmente porque, com uma AEP bem feita, já se pode estimular a solução de uma série de situações. Assim, ficará reservada a AET (Análise Ergonômica do Trabalho) para um número bem menor de situações, a serem mais bem esclarecidas.

Mas, que ferramenta utilizar? Antes de apresentar a ferramenta sugerida por nós, é importante esclarecer que existem pelo menos 18 fatores que influenciam na condição ergonômica de qualquer trabalho. Leia atentamente o quadro Fatores que influenciam a condição de ergonomia de uma atividade lembrando que, quanto mais fatores tiver a atividade analisada, pior será considerada sua condição ergonômica.

Tendo essa base conceitual, é importante ao leitor atentar-se a outros aspectos igualmente importantes:

  • Esses 18 fatores não influenciam na condição ergonômica na mesma proporção;
  • Eles são considerados, em princípio, como exigências e não necessariamente como riscos;
  • No entanto, se existirem na forma caracterizada no checklist indicado ao lado, fica explícito que aquela condição de trabalho “não passa” em nenhuma análise racional sobre condição de trabalho e tem que ser melhorada com prioridade;
  • Porém, é preciso estar atento, pois a inexistência dos fatores relacionados no checklist não significa que a condição ergonômica esteja boa. Quer dizer apenas que o processo produtivo, em princípio, pode “rodar”, pois não há condições ergonômicas muito erradas.

 

RECOMENDAÇÕES

Analise, antes de começar a aplicar o checklist. Gaste algum tempo andando pela área de forma a entender o processo produtivo. Procure conhecer os principais produtos incluindo aqueles que, pelo peso maior ou maior produtividade, podem resultar em mais esforços ou processos mais acelerados. Identifique o modo de produção praticado quando ocorrem falhas em equipamentos. Também procure conhecer como são realizadas as atividades periféricas que envolvem o processo produtivo.

Documente a condição de trabalho inadequada com fotografia, na qual apareça o trabalhador executando a atividade de alta exigência.

Oriente a empresa quanto às medidas de correção, classificando-as da seguinte forma:

(a) situação passível de melhorias de baixo investimento ou pequenas melhorias; (b) solução conhecida, sendo necessário replicá-la naquele posto; (c) situação cuja melhoria necessita de estudo em maior profundidade. Para essas últimas, é indicada uma boa Análise Ergonômica do Trabalho.

Não deve o analista definir sozinho a solução, a não ser que tenha grande experiência com as questões encontradas. As melhores soluções são aquelas que resultam de um consenso entre o analista, o gerente, o engenheiro ou técnico do processo e um trabalhador experiente.

Fatores que influenciam a condição de ergonomia de uma atividade

  • Postura básica de trabalho inadequada
  • Força e esforço intensos
  • Alta repetitividade sem os devidos tempos de recuperação
  • Levantamento manual de pesos acima dos limites conhecidos
  • Desvios posturais sabidamente críticos
  • Contrações musculares estáticas sem a possibilidade de tempos de alívio
  • Sobrecarga mental
  • Alto dispêndio energético
  • Calor
  • Frio
  • Vibração de corpo inteiro
  • Vibração de ferramentas energizadas;
  • Emanações: gases, poeiras e aerodispersóides
  • Roupas constritivas
  • Espaços restritos
  • Iluminação deficiente
  • Ruído intenso
  • Risco de acidente pela própria condição de execução do trabalho

fonte:  Revista Proteção edição 347 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.